PSB Nacional dá autonomia para Ricardo seguir contra impeachment

PSB Nacional dá autonomia para Ricardo seguir contra impeachment

Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB descartou retaliação a posicionamento do governador da Paraíba: “Ele tem o direito de divergir”

Apesar de estar contra o posicionamento da executiva nacional do PSB, que defende o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o governador Ricardo Coutinho, também filiado ao PSB, não vai receber nenhum tipo de retaliação por parte da executiva nacional da legenda. A garantia foi dada ontem, sexta-feira (01) pelo presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, durante entrevista a um programa radiofônico na Paraíba.

O dirigente ressaltou que, além de gostar do governador da Paraíba, também o admira, justamente pela personalidade firme e que, apesar de o posicionamento dele ser minoria dentro do PSB, será respeitado.

“Ricardo Coutinho é uma pessoa que eu, além de gostar, também admiro, é um companheiro de muito valor, que tem uma divergência com a grande maioria da direção nacional, mas que eu reconheço que é um direito dele, ele tem o direito de divergir. Nós não somos de um partido stalinista que todo mundo tem que seguir cegamente só uma direção”, defendeu.

Siqueira lembra, todavia, que não corrobora com a posição do governador da Paraíba, que é minoritária dentro do PSB. Ele reconheceu que seu partido já foi próximo de Lula, mas disse não lamentar o desfecho da relação e a situação atual do ex-presidente.

“Eu não lamento nada. Sou um democrata. E as ‘vacas sagradas’ da política são muito perigosas para a democracia”, disse. “A investigação é algo absolutamente natural. Não vamos vitimizar nem pré-julgar ninguém. Quem absolve ou condena é a Justiça”,ressaltou.

Ainda segundo Siqueira, o agravamento da crise política e econômica construiu uma posição “majoritária” na legenda de que não há mais como dar qualquer suporte à presidente.

Já sobre Ricardo Coutinho, ele ratificou a autonomia de posicionamento: “Ele tem todo direito de ter uma posição, que é minoritária, mas que é uma posição dele, ele tem o direito de divergir, eu não concordo com a posição dele, sou contrario, mas respeito que ele pode ter a opinião divergente da maioria.”, ressaltou.

A flexibilização da nacional com relação a Ricardo Coutinho denota a força, importância e o peso que o paraibano tem junto à cúpula do PSB

Na quinta-feira, durante discurso na manifestação pró Dilma, em João Pessoa, o governador defendeu o estado democrático de direito e o respeito às regras do jogo, salientando que quem ganhou deve governar, e quem perdeu deve ser oposição.

“O que nós temos nesse país, muito maior do que uma crise econômica, é uma crise que é na essência política. Quem perdeu a eleição, desde que perdeu não quer deixar quem ganhou governar. Qualquer caso de malfeito, de desvios, ou do que quer que seja, tem que ser tratado nas hostes competentes, por isso, é que no Brasil, depois do presidente Lula, a Polícia Federal e o Ministério Público puderam investigar, e a justiça pôde julgar”, disse

O discurso do governador foi aplaudido pela plateia, que ouvia atenta as falas do chefe do executivo paraibano. Em entrevista, Coutinho deixou claro que não está se colocando a favor da presidente Dilma, mas sim em prol do estado democrático de direito.

Márcia Dias

PB Agora

Anúncios