Carlos Dunga fala sobre trajetória política

 
O deputado estadual Carlos Dunga (PTB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta terça-feira (19) para fazer o seu primeiro pronunciamento no seu retorno à Casa de Epitácio Pessoa. Durante sua fala, Carlos Dunga lembrou do início de sua trajetória e falou das dificuldades enfrentadas durante esse período em que não estava no exercício de um mandato eletivo. 

Carlos Dunga disse que um erro da Justiça Eleitoral fez com que ele se mantivesse afastado do mandato para o qual foi eleito por quase 19 mil eleitores. “Nesse tempo perdi o prestígio político, pois estava sem mandato e político sem mandato é igual a comerciante sem alvará”, disse.

Dunga fez questão de esclarecer que não está tomando vaga de ninguém e que está apenas ocupando um mandato que lhe foi outorgado pelo povo paraibano. Ele destacou o apoio de todos no seu retorno a Assembleia, e agradeceu, em especial, a Deus pela força em todos os momentos. “Quero agradecer a Deus, aos amigos, à minha família, aos meus filhos, à minha esposa e aos 18.841 paraibanos que confiaram em mim para mais essa missão”, destacou.

Sobre o seu posicionamento político na Assembleia, Carlos Dunga disse que os homens e mulheres que compõem a Casa de Epitácio devem ter posições claras sobre o apoio ou não ao governo na Casa. O parlamentar, entretanto, esclareceu que só poderá se definir após uma conversa no governador Ricardo Coutinho. “Se for do interesse do governo, estou à disposição para uma conversa, pois só se faz política conversando e ouvindo os aliados”, afirmou. Dunga fez questão de esclarecer que em nenhum momento mudou de lado e que ajudou ao atual governador a se eleger, contrariando, inclusive, o seu partido em 2010.

Dunga disse que consultou o seu agrupamento político antes de anunciar o voto na deputada Nilda Gondim e no senador Vital do Rêgo, ambos do PMDB, pois do contrário, corria o risco de não ter legenda para sua candidatura. “Sou um homem de posições e sempre fui leal ao meu grupo, não me afastei do grupo que ajudei a eleger, apenas estava sem mandato, e político sem mandato não tem prestígio”, disse.

O deputado disse que estava de volta à Assembleia justamente no dia do aniversário do poeta Ronaldo Cunha Lima e que tinha certeza que o eterno amigo estava feliz com o seu retorno a Casa de Epitácio Pessoa. “Estamos felizes com o retorno à Assembleia e o nosso agradecimento especial ao amigo Cássio Cunha Lima, que sempre esteve do nosso lado”, concluiu.

PROFESSOR LÉO MODESTO

Com iParaiba

Anúncios