Travesti pode ser deportada da Europa por chefiar rede de tráfico humano.Desde 2011 a Polícia Federal instaurou inquéritos contra seis membros desta quadrilha de tráfico humano. Eles ainda estão soltos em solo italiano por entraves nas relações internacionais

Isnard Cabral - Diná

Uma travesti paraibana, conhecida como Diná, poderá ser deportada para o Brasil por chefiar uma quadrilha de aliciadores e tráfico internacional de seres humanos para a exploração sexual. Isnard Cabral que é natural do municipio de Mulungu (85 Km de João Pessoa) é suspeita de gerenciar casas de prostituição e o italiano Paolo Simi, acusado de ser o cabeça da quadrilha, seria o aliciador. 

Isnard Cabral - DináDesde 2011 a Polícia Federal instaurou inquéritos contra seis membros desta quadrilha de tráfico humano. Eles ainda estão soltos em solo italiano por entraves nas relações internacionais.

 A extradição de Diná (por ser brasileira) só será possível quando a justiça expedir a carta rogatória – é um instrumento jurídico de cooperação entre dois países -. Outras quatro pessoas também respondem a processo, por serem parte da quadrilha, conforme identificou a Polícia Federal.

O procurador-chefe do Trabalho, Eduardo Varandas, revelou que atualmente 30 travestis podem estar sendo vítimas de tráfico de pessoas, vivendo em condições subumanas, como escravos.  Para ele, o Brasil é o maior exportador de travestis do mundo, uma vez que faltam políticas públicas de assistência a esse segmento social. “Aqui eles são tão maltratados como pelo tráfico lá fora”, ressaltou o Eduardo Varandas.

Isnard Cabral - DináA rede de aliciamento e tráfico internacional de seres humanos para a exploração sexual em condições de trabalho escravo aliciava jovens homossexuais de cidades localizadas principalmente no Brejo paraibano. Só Araçagi exportou para a Europa pelo menos 40 jovens homossexuais. Na Europa, os jovens passam por uma transformação no corpo. Silicone é colocado de forma clandestina e eles são submetidos a condições degradantes.

Plano de Enfrentamento 

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo,  a ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres, Eleonora Menicucci e a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, divulgarão nesta terça-feira (26) o II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Na ocasião, também será apresentado o primeiro relatório com dados consolidados sobre o assunto.

Onde denunciar o tráfico de pessoas:

– No Brasil, através do Disque 100 ou do Disque 180
– Se estiver no exterior:
* Espanha: 900 990 055 (opção 1) Informe: 61-3799.0180
* Portugal: 800 800 550 (opção 1) Informe: 61-3799.0180
* Itália: 800 172 211 (opção 1) Informe: 61-3799.0180
* Nos consulados ou embaixadas brasileiras
– Na internet: www.denuncia.pf.gov.br / denuncia.urtp@dpf.gov.br

FONTE: PORTAL CORREIO
FOTO: PORTAL CORREIO
Anúncios