Dilma lança o programa para se opor aos efeitos da seca, a expectativa é que as ações sejam iniciadas no início de janeiro de 2013.

O Programa Mais Irrigação, anunciado esta semana pelo Governo Federal vai levar investimentos, em torno de R$ 10 bilhões, sendo R$ 3 bilhões em recursos públicos e R$ 7 bilhões da iniciativa privada, aos estados que sofrem com a seca prolongada.

O senador Wellington Dias (PT/PI) destaca que a iniciativa está fundamenta em parcerias público-privadas, implantação e revitalização de projetos de irrigação, apoio a agricultura familiar e elaboração de novos estudos e projetos.

“Nós temos o registro da maior estiagem da história da região nordeste brasileira, para você ter uma ideia, no sertão até pé de caju está morrendo. Caju e juazeiro são duas plantas bem adaptadas ao sertão, a caatinga, ao semiárido e este ano perdemos muitas plantas de caju, no meu Estado e o prejuízo está estimado em R$ 2,3 milhões de reais, isso corresponde aproximadamente a 10% do PIB entre perdas caju, arroz, milho, feijão, mandioca e o gado que as vezes morre ou é transportado para outros estados”, explicou o senador informando também que o prejuízo acontece na produção das abelhas. O estado é o maior produtor de mel do Brasil.

O Governo Federal diante dos prejuízos na produção tomou uma série de medidas, “uma rede de proteção” na avaliação do senador, foi liberado seguro safra, um conjunto de investimento para água, mas faltava a área da produção e havia essa cobrança.
Educação e pesquisa

“Eu venho desde o governo do presidente Lula cobrando, a gente precisa ter a condição de conviver com o semiárido para por uma educação contextualizada. Essa medida está sendo tratada no MEC, trata do programa nacional de irrigação que vale não só para o Nordeste como também para qualquer região do Brasil afetada pela longa estiagem”.

Wellington Dias elogiou o trabalho desenvolvido pela Embrapa principalmente as novas tecnologias de irrigação em plantações para produção de frutas.

Anúncios